Plantão
Economia

Eleições 2018: Por que a liderança de Bolsonaro anima o mercado financeiro?

Publicado dia 26/10/2018 às 00h35min
"Bolsa sobe e dólar cai após pesquisa confirmar dianteira de Bolsonaro."

Títulos semelhantes a esse tornaram-se comuns no segundo turno das eleições brasileiras à Presidência, depois de pesquisa eleitorais mostrarem o candidato Jair Bolsonaro (PSL) muito à frente de Fernando Haddad (PT) na corrida presidencial. Só em outubro, o Ibovespa, principal indicador da bolsa paulista, acumula alta de mais de 6%; enquanto o dólar, no mês, já caiu mais de 7%.Os indicadores do mercado financeiro refletem a animação com as grandes chances de vitória de Bolsonaro. A subida das ações significa que mais pessoas se sentem otimistas para comprá-las, o que faz seu preço aumentar. Mas o que explica essa euforia? Por que, pelo comportamento dos índices, o mercado prefere Bolsonaro a Haddad?

Segundo analistas financeiros e professores entrevistados pela BBC News Brasil, a receita combina dois fatores: uma forte rejeição que cria um clima de "tudo menos o PT" e nome forte de Paulo Guedes na campanha do PSL, visto pelo mercado como um economista comprometido com uma agenda liberal. Mesmo assim, há dúvidas que persistem a poucos dias da eleição e podem, na opinião dos especialistas, reverter essa reação a qualquer momento.

A visão dos analistas, no entanto, não é consenso no mundo econômico: diverge, por exemplo, dos argumentos de economistas que apoiam as propostas de Haddad e que veem no liberalismo e nos cortes de gastos públicos um risco de aprofundar a recessão econômica e piorar a proteção social das camadas mais pobres da população.

Fonte: "Bolsa sobe e dólar cai após pesquisa confirmar dianteira de Bolsonaro."